Cláudia B. S. Pacheco*Artigo extraído do livro Nova Física e Psicanálise

Trecho do livro A Nova Física, de Norberto Keppe:

A energia constitui o núcleo, o centro de toda a realidade, e qualquer estudo que se faça tem de sair do conhecimento desse fato. Estou falando que qualquer pesquisa tem de partir desta constatação para chegar a um bom resultado. Se o elemento fundamental é o energético, ele constitui a substância que fornece a estrutura física a todos os elementos que existem, materiais ou espirituais; um exemplo (meio torto) é quando o escultor faz uma determinada figura com o bloco de mármore – só que na natureza a própria matéria já preexististe em consequência dessa energia formativa. De outro lado, se acontecem mudanças substanciais, somos obrigados a considerar que é o fator energético que fornece sua conformação.

Roberto Frascari: As pessoas acham que a energia vem do alimento que comemos. Na verdade, a comida é o primeiro passo num processo que nos ajuda a absorver a energia essencial. É o que Keppe discute no parágrafo anterior.

Cesar Soós: A matéria e a natureza já têm suas formas; não temos que fazer nada para criar as formas na natureza. Os seres humanos também possuem formas e elas vêm da energia, não dos átomos em si. De certo modo, é a energia que estrutura o átomo. Esta forma ocorre antes da formação da matéria física. Ela está nesta energia anterior, não na própria matéria.

Cláudia Pacheco: Poderíamos descrever essa energia que cria a forma como a “alma” da matéria?

Cesar Soós: Exatamente! Tudo que vemos na natureza, que tem forma bonita, vem de padrões energéticos. Os padrões para o material já existem no mundo da energia. Por isso, Keppe diz que os seres humanos têm uma substância fundamental e única, e é também por essa razão que, quando morremos, mantemos nossas formas, pois esse é o formato que nossa energia possui.

Nossas almas fornecem as formas para nossos corpos. Quando temos uma enfermidade como o câncer, ela deforma o corpo, o que significa que primeiro o câncer é uma doença energética e depois é transferida para a forma material. Tudo começa primeiramente no reino energético. O grau que rejeitamos capturar essa energia é o grau pelo qual começamos a causar deformação em nossas formas físicas.

Trecho do livro A Nova Física, de Norberto Keppe:

Aristóteles pensou que a matéria fosse o elemento potencial, que poderia ser transformada através do trabalho do escultor em alguma forma, esquecendo que ela em si (a matéria) já é consequência do fator energético, tendo sua estrutura (forma) por si. Claro que poderá depois ser mudada em algo artificial: monumentos, colunas, etc., ou melhor, em outra formação – como o próprio elemento químico poderá ser transformado em outro (alteração substancial).

Para que as plantas cresçam necessitam de luz e calor, que depois se transformam em compostos químicos – mostrando como a força inicial se transforma em energia química. Idêntico fenômeno acontece no processo de nutrição, quando a energia química contida nos alimentos traz calor e força cinética para o corpo; a correção que faço é que em ambos os casos a energia escalar (essencial) penetra nas células vegetais e humanas (através do núcleo do átomo) formando e sustentando tudo o que existe. Quando se estudam os fenômenos da Física energética dão-nos a impressão ou que se trata de questões maravilhosas ou até mesmo miraculosas.

Cesar Soós: O que é muito importante acima é a ideia de Keppe de que a energia escalar se manifesta através de vórtices. A matéria é um vórtex, e toda a matéria na natureza está constantemente capturando essa energia. Se ela para de capturar energia, se desintegra, resultando no que os físicos chamam de entropia. A entropia ocorre quando a matéria perde sua capacidade de capturar energia de fora e, então, os limites da matéria começam a se deteriorar e desintegrar. Na verdade, os seres humanos ficam velhos porque envelhecer é uma forma de doença.

Não envelheceríamos ou morreríamos se estivéssemos completamente conscientes de nós mesmos, particularmente de nossa psicopatologia. O processo de morrer é o processo de lentamente perder a capacidade de captar essa energia do exterior. É quando começamos o processo de deterioração.

Na realidade, não perdemos tanto a capacidade como nos bloqueamos da energia essencial por causa da nossa patologia. Por exemplo, se acolhemos emoções e intenções negativas, cheias de raiva, agressivas, de fato estamos atacando nossa estrutura energética, que não foi projetada ou criada para ressonar com tais sentimentos e atitudes.

Alexandre Frascari: Keppe também diz aí que não vivemos somente do alimento que comemos, mas também da energia que capturamos do ambiente. Para ser mais específico, a comida sozinha não produz energia suficiente. Uma das explicações que os cientistas dão é que os íons retirados do ar que você respira lhe dão energia também. Outra explicação é que o corpo humano pode absorver energia de partículas subatômicas chamadas neutrinos.

Os cientistas propõem que, quando esses neutrinos colidem com outras moléculas, a energia é transferida para o corpo. Essas são duas das explicações que eles oferecem para tentar explicar como obtemos a energia que não conseguimos da comida. Mas a energia mais importante é a que vem do núcleo dos elementos, dos átomos. Essa é realmente a energia que nos mantém vivos.

Cláudia Pacheco: Como pesquisadora em medicina psicossomática, trabalhando para ajudar as pessoas a se curar através da conscientização de seus problemas, se torna aparente que a energia transcendental nos vem primeiramente através da nossa vida psicológica. Vejo pessoas aqui na clínica sendo curadas somente pela consciência – algumas vezes em apenas uma ou duas sessões. Frequentemente a pessoa obtém uma visão que a modifica por dentro e isso é fantástico. Temos indivíduos que chegam à nossa clínica com enxaquecas terríveis, ou até úlceras, e depois de duas sessões eles se curam.

Keppe trabalhou muito com cura através da conscientização por muitos anos no Hospital das Clínicas em São Paulo – com grande sucesso. Devemos sempre lembrar que a mais poderosa energia de todas é a essencial, escalar, que está presente em todos nós dentro do que chamamos de alma, e a que Keppe se refere como vida psicológica. É também importante notar que essa energia essencial é a que mais rejeitamos.

Mais dois exemplos: podemos ver pessoas muito obesas que comem muito, mas têm muito pouca energia e saúde, e outras que comem muito pouco e ainda são energéticas e saudáveis. Devemos, então, concluir que a quantidade de energia que uma pessoa tem não é dependente da quantidade de comida que ela consome.

Existem pessoas que podem jejuar por mais de um mês e que se sentem melhor que o normal, e outras que começam a se sentir fracas quando perdem uma refeição. Podemos concluir através desses exemplos que nossos níveis de energia têm muito mais a ver com nossas vidas psicológicas do que com a quantidade de alimentos que comemos.

*Psicanalista e escritora, com 12 livros publicados. Vice-presidente da SITA, presidente e fundadora da Associação Keppe & Pacheco e da STOP a Destruição do Mundo. Diretora das Faculdades Trilógicas Keppe & Pacheco.

Gostou desta publicação?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

• Usamos cookies para garantir que oferecemos a melhor experiência em nosso site. Se você continuar a usar este site, assumiremos que está satisfeito com ele. Política de Privacidade

• We use cookies to ensure that we give you the best experience on our website. If you continue to use this site we will assume that you are happy with it. Privacy Policy

Abrir WhatsApp
1
Dúvidas?
Olá!
Dúvidas? Nossa equipe está pronta para atender você!
Skip to content