O Quinto Império

O Esoterismo Fazendo História 

 

“O Brasil está sendo chamado para tornar-se líder do mundo, reavivando a cultura. E isto é tão certo quanto Paris ter sido a herdeira de Atenas e de Roma. Assim o decidirá a Era de Aquário”  Yves Christiaen, escritor francês 

 

Este texto, revisado, atualizado e adaptado a este livro, baseia-se na conferência O Quinto Império e a Ciência Universal, que proferi na Casa de Portugal de São Paulo, em 18 de maio de 1997, no seminário que organizamos para trazer estes dados ao público paulistano. A linguagem usada é coloquial e faz um resumo simplificado e despretensioso do que tratei nos capítulos subsequentes deste livro. 

Senhoras e senhores: 

Talvez nem todos conheçam a profecia do Quinto Império. Por isso, vou explicá-la. 

Há cerca de 2.500 anos, quando o povo judeu estava subjugado e cativo na Babilônia, o imperador babilônico Nabucodonosor teve um sonho que o impressionou. 

Viu uma estátua imensa, com a cabeça de ouro, o peito e os braços de prata, o ventre e os quadris de bronze, as pernas de ferro e os pés em parte de ferro, em parte de barro. Uma pedra, não lapidada por mão humana, feriu a estátua nos pés e a esmigalhou. O vento levou todas as suas migalhas. A pedra que atingiu a estátua tornou-se uma grande montanha que envolveu toda a Terra. 

 

 

Daniel, profeta hebraico, a pedido do rei e por inspiração divina, interpretou o sonho e disse que a estátua representava quatro impérios que iriam se suceder ao longo da história. O primeiro, de ouro, era o Império Babilônico. Depois dele, viria um reino inferior, de prata; em seguida, um terceiro império, de bronze e, após, um quarto reino, muito destrutivo, que seria “forte como o ferro, pois o ferro a tudo quebra e esmiúça; (…) Como o ferro quebra todas as coisas, assim ele fará em pedaços e esmiuçará.” Esse, porém, seria um império dividido, pois seus pés eram formados por ferro e barro, que não fazem casamento. Finalmente, a rocha que fere os pés da estátua, cresce e envolve a terra, será o Quinto Império. Nas palavras de Daniel, “o Deus do Céu suscitará um reino que não será jamais destruído (…) subsistirá para sempre”. 

Várias interpretações têm sido feitas. Por exemplo, o rabino português Menasseh Ben-Israel, (1604-1657), amigo do padre António Vieira, afirmou que a profecia diz respeito a impérios que tiranizaram o povo judeu, sendo o primeiro o Babilônico, o segundo o Medo-Persa, o terceiro o Grego e o quarto o Romano; o quinto seria realizado pelo Messias judaico, quando viesse. 

Muitos cristãos também creem nessa mesma sequência de impérios (Babilônico/ Medo-Persa/ Grego/ e Romano); o de Roma teria sido o último antes da vinda de Cristo, a “pedra celeste” que veio destruir a glória dos anteriores e anunciar o reino eterno de seu Pai aqui na Terra. 

Os quinto-imperialistas (como Fernando Pessoa, Padre Vieira e outros) creem na previsão do abade italiano Gioachino di Fiori: assim como houve uma “dispensação” de Deus-Pai ao gênero humano (por meio de Moisés e dos profetas), outra do Filho (por Cristo e os apóstolos), haverá uma dispensação do Espírito Santo, que se derramará sobre todos os povos e pessoas, inaugurando o Quinto Império, os “mil anos de felicidade” antes do Juízo Final.  (1) 

Para haver essa dispensação, o Espírito Divino contaria com o trabalho de seres humanos: por exemplo, as duas testemunhas do Apocalipse, representadas no selo dos Templários como dois cavaleiros montados juntos no mesmo cavalo, ou o “Pastor de Almas” que Dante Alighieri apresenta em sua Divina Comédia. Mostram eles a necessidade de haver um ou mais seres humanos inspirados por Deus que façam o trabalho de organizar as bases dessa nova sociedade de paz. 

O grande problema é que, nestes dois mil anos, todos os que tentaram organizar o “Reino de Deus” na Terra, na verdade quiseram fazer o reino de poder deles próprios – e por isso até hoje a humanidade está fragmentada em disputas, guerras fratricidas, pobreza e sofrimento. 

Por exemplo, a partir da interpretação de que os quatro impérios já teriam passado, a Inglaterra passou a se considerar o Quinto Império, causando estranheza em Fernando Pessoa, que não via nesse país o nível de espiritualidade exigido; além disso, a Grã-Bretanha está em profunda decadência, pois o império britânico já praticamente se desfez e o norte-americano está em franco desmoronamento. 

(Texto do livro HISTÓRIA SECRETA DO BRASIL – Vº IMPÉRIO : O MILÊNIO UNIVERSAL de Cláudia Bernhardt de Souza Pacheco)